A traqueostomia (ou estoma traqueal) é um procedimento cirúrgico realizado para possibilitar a entrada de oxigênio em situações em que a passagem de ar está obstruída. Para isso, é feita uma abertura (estoma) na parede da traqueia, que é mantida afastada por meio de um tubo de metal ou de plástico, chamado de cânula.

Internamente, é fixado um tubo composto por um filtro, que ajuda a substituir as funções da boca e do nariz, filtrando e umidificando o ar. Na sequência, é feita a conexão do aparelho de respiração artificial com a ponta da cânula.

 

Foto de paciente traqueostomizado.

O estoma traqueal exige uma rotina de cuidados rigorosa.

Quando optar pela traqueostomia?

A traqueostomia é indicada em situações onde ocorre a obstrução das vias respiratórias, como:

 

– Tumores na laringe

– Insuficiência respiratória grave

– Parada respiratória ou cardíaca

– Cirurgias extensas na boca e garganta

– Traumas graves na face

Cuidados com o paciente traqueostomizado?

Manter uma rotina rigorosa de cuidados é essencial para evitar complicações graves, como infecções pulmonares e asfixia. Esses cuidados mantêm a saúde do paciente estável e melhoram o conforto e a qualidade de vida. Manter a cânula limpa e trocar frequentemente a gaze ou material almofadado (que fica entre o cadarço de fixação e a pele) são alguns deles.

 

Limpeza do estoma traqueal:

A higienização da traqueostomia pode ser feita pelo cuidador ou até mesmo pelo próprio paciente (quando capaz de realizar esses cuidados sozinho). Para fazer a limpeza do estoma traqueal, siga os passos abaixo:

 

1 – Lave bem as mãos e calce luvas descartáveis;

2 – Retire a cânula interna (endocânula), sempre segurando a base da traqueostomia com uma das mãos;

3 – Mergulhe a endocânula em um recipiente com água morna e deixe por, aproximadamente, 2 minutos;

4 – Na sequência, enrole uma gaze e passe por dentro da endocânula para que saia do outro lado. Se necessário, utilize um cotonete para empurrar a gaze. Pegue uma nova gaze e repita esse procedimento até que a gaze saia limpa e a endocânula esteja sem secreções;

5 – Recoloque a endocânula e trave conforme orientação do fabricante;

6 – Retire as gazes ao redor da traqueostomia e limpe a pele do pescoço com gaze umedecida com soro fisiológico, fazendo movimentos de cima para baixo ao redor do orifício;

7 – Seque a pele ao redor do orifício com uma nova gaze;

8 – Depois, junte duas gazes (uma sobre a outra), dobre ao meio e recoloque ao lado do orifício, entre a pele e o cadarço de fixação;

9 – O cadarço de fixação também deve ser trocado diariamente. Lembre-se sempre de segurar a base a traqueostomia com uma das mãos ou pedir ajuda de outra pessoa. Ao prender a fita, mantenha um dedo de folga para que não fique muito apertada.

Como aspirar a traqueostomia?

Em alguns casos, o profissional de saúde pode indicar a aspiração da traqueostomia, realizada por meio de um aspirador de secreções. A aspiração é importante para evitar a obstrução da cânula, o que pode dificultar a chegada do ar aos pulmões.

Na falta do aspirador de secreções, fazer inalação ou injetar 2mL de soro fisiológico no interior da cânula externa (sempre com prescrição do médico ou enfermeiro) ajuda a extrair as secreções por meio da tosse.

 

Como fazer a aspiração da traqueostomia?

– Posicione o paciente a 30º, caso não haja contraindicação;

– Utilize equipamentos de proteção individual (máscara, óculos e luvas estéreis);

– Calcule a extensão da sonda de aspiração a ser introduzida de 8 a 10 cm;

– Aspire sempre por primeiro a traqueostomia e, na sequência, as vias aéreas superiores (narinas);

– A quantidade e qualidade das secreções é que determinam a frequência das aspirações;

– Pode ser necessário repetir a aspiração mais de uma vez;

– Não aplique a sucção por mais de 10 segundos. A sucção reduz o ar nos pulmões, dificultando a respiração;

– O uso de vaporização e umidificação do ambiente ajuda a diminuir a formação de secreção.

 

Atenção!

  • Esses procedimentos devem ser indicados e orientados pelo médico ou profissional de enfermagem;
  • A cânula fixa da traqueostomia apenas deve ser trocada por um profissional de saúde;
  • É importante observar o aspecto da pele ao redor da traqueostomia. Vermelhidão ou inchaço podem ser sinais de infecção. Nesse caso, procure um médico imediatamente;
  • Para evitar irritações e lesões de pele, as gazes (ou superfície almofadada) devem ser trocadas sempre que estiverem sujas ou úmidas;
  • Procure um médico em casos de entupimento da cânula, saída acidental da cânula ou expectoração com sangue.

Cuidados com a pele do estoma traqueal

A utilização do Spray de Barreira na área da pele que fica em contato direto com o cadarço de fixação promove mais conforto ao paciente. A fricção da fita e a própria umidade do corpo podem causar irritações e machucar a pele do pescoço.

Aplicar o Spray de Barreira nessa região evita o surgimento de dermatites e possíveis lesões, sendo que cada aplicação protege a pele por até 72 horas.

Cuidados com a pele do estoma traqueal

Por quanto tempo a traqueostomia é necessária?

O estoma traqueal pode ser definitivo ou temporário, variando de acordo com o caso e as condições do paciente e da pele ao redor da incisão.

 

No caso de tranqueostomias reversíveis, quando o paciente volta a respirar normalmente, a cânula pode ser retirada. Nesse processo é feita a troca da cânula por uma de menor espessura, diversas vezes, até que a pessoa consiga ficar sem tubo e o orifício do corte cicatrize por completo. Essa etapa pode levar de 5 a 30 dias.

Em alguns casos, o paciente apresenta dificuldades para retirada da cânula. Isso pode ser causado por obstrução da via respiratória acima da traqueia, descolamento da parede da traqueia ou edema. Se isso ocorrer, a traqueostomia deve ser mantida até que o problema seja resolvido.

COMENTE ESTA PUBLICAÇÃO