Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A constante preocupação com o bem-estar das pessoas que sofrem com doenças que acarretam lesões na pele está no DNA da Membracel. A história da criação da membrana capaz de substituir temporariamente a pele humana, promovendo o alívio da dor e a rápida regeneração, comprova a filosofia da empresa.

Durante mais de 10 anos o engenheiro florestal João Carlos Moreschi acompanhou a luta da mãe Vitória contra as úlceras desenvolvidas por insuficiência venosa. Dona Vitória normalmente tinha duas a três úlceras de grandes dimensões permanentemente abertas e infectadas que, além de lhe causar dores intensas, a impossibilitava de andar e sua qualidade de vida estava bastante comprometida.

Moreschi estava inconformado com a falta de resultados efetivo nos tratamentos convencionais existentes na época. Ele, que era professor universitário recém-aposentado e com conhecimentos científicos e tecnológicos nas áreas de microbiologia e de celulose, decidiu usar sua experiência para buscar uma solução para o problema de sua mãe.

Após três anos de estudos e pesquisas intensivos, chegou ao desenvolvimento de um novo produto capaz de eliminar a dor, acabar com a infecção e promover a cicatrização de forma acelerada de qualquer tipo de lesão da pele: a membrana de celulose. Moreschi contou com a colaboração do médico angiologista de sua mãe para avaliar a eficiência do produto e, assim, atender esta exigência dos órgãos de saúde brasileiros. Usando a membrana, D. Vitória viveu dos 87 aos 98 anos, sem sofrer mais com as feridas recorrentes.

Da necessidade de sua mãe, veio a oportunidade de ajudar outras pessoas com problemas parecidos. Moreschi decidiu criar uma empresa para a fabricação da membrana. Em 2002 começou a funcionar a empresa Membracel. Hoje, seus filhos Henrique e Thiago administram e gerenciam a produção e a comercialização das membranas regeneradoras para atender o tratamento de cerca de 3.000 pacientes por mês.

 

COMENTE ESTA PUBLICACIÓN