O que é Lupus?

O Lúpus é uma doença autoimune, causada pelo desequilíbrio do sistema imunológico (sistema de defesa do corpo). Dessa forma, o sistema imunológico reage contra as células da própria pessoa causando danos ao organismo. Só no Brasil, estima-se que a doença atinja 65 mil pessoas, sendo a maioria mulheres.

É uma doença crônica que exige tratamento contínuo e acompanhamento com profissional de saúde. Em 80% dos casos, a pele é afetada e, portanto, o dermatologista é o médico responsável pelo diagnóstico.

 

Mulher com a mão sobre o cotovelo

80% dos casos de Lúpus apresentam lesões de pele

 

Na maioria dos casos, lesões de pele estão associadas aos sintomas da doença (Lúpus Eritematoso Sistêmico). Em algumas situações, os órgãos também são afetados, como fígado, coração, rins, pulmões e cérebro (lúpus sistemico). Essa forma de manifestação extensa pode acabar confundido e atrasando o diagnóstico.

 

Lúpus Cutâneo

É o tipo de lúpus que atinge a pele. Pode se manifestar sozinho ou estar associada Lúpus Eritematoso Sistêmico (tipo que atinge os órgãos).

 

É dividido em três subtipos:

• Lúpus Eritematoso Cutâneo Agudo
• Lúpus Eritematoso Cutâneo Subagudo
• Lúpus Eritematoso Cutâneo Crônico

 

Os termos acima estão relacionados à duração e recorrência das lesões e, ainda, à possibilidade ou não de cicatrizes e descoloração permanente da pele.

Os subtipos do Lúpus Eritematoso Cutâneo possuem sintomas e evoluções específicos e se associam de maneira diferente ao Lúpus Eritematoso Sistêmico.

 

Sintomas de Lúpus

Os sintomas do lúpus variam de acordo com cada caso. Podem surgir de repente ou aparecer aos poucos; podem ser graves ou moderados, temporários ou permanentes. Os sintomas, ainda, podem variar de acordo com as partes do corpo afetadas pela doença.

A grande maioria dos pacientes apresenta sintomas moderados, que surgem de forma esporádica. Quando em crise, os sintomas se agravam, mas depois desaparecem.

 

Os sintomas relacionados à pele são: manchas vermelhas ou de coloração castanha que atingem bochechas e nariz que pioram quando expostas ao sol. Ainda podem surgir feridas e cicatrizes dolorosas que surgem nas áreas com maior exposição ao sol (rosto, couro cabeludo, orelhas e pescoço).

 

Outros sintomas que podem surgir são:

• Sensibilidade à luz solar
• Febre
• Dor nas articulações
• Fadiga
• Desmaios
• Convulsões
• Rigidez muscular e inchaços
• Dificuldade para respirar ou dor no peito
• Dor de cabeça, perda de memória, confusão mental
• Linfonodos aumentados

Diagnóstico de Lúpus

O diagnóstico de lúpus é difícil de ser realizado, pois os sintomas variam em cada caso e mudam com o passar dos anos. Além disso, os sintomas podem ser confundidos com os de outras doenças.

 

Além de avaliar o histórico clínico do paciente, o médico deve realizar o exame físico dermatológico, investigar se há agressão a algum órgão e solicitar exames laboratoriais. Ou seja, é a partir dessa combinação de testes que o médico poderá fazer o diagnóstico.

 

O que causa lúpus?

Ainda não se sabe o que causa esse comportamento no sistema de defesa do organismo. Algumas pesquisas indicam que a predisposição genética combinada a outros fatores (hormonais, infecciosos ou ambientais) pode fazer o sistema imunológico a reagir de forma errada, levando à doença. As informações ainda são escassas e, portanto, pouco se sabe sobre a origem da doença.

 

Lúpus é contagioso?

O lúpus não é uma doença contagiosa. Ou seja, não é possível transmitir e nem “pegar” lúpus. É uma doença desenvolvido devido a uma resposta do sistema imunológico, que produzi anticorpos que atacam o próprio organismo.

 

Lúpus tem cura?

Não há cura para o Lúpus. Por isso, é muito importante que diagnóstico seja feito o mais breve possível. O diagnóstico precoce ajuda a garantir qualidade de vida para o paciente, que, com o tratamento correto, pode ter uma vida normal.

 

Como prevenir o Lúpus?

O lúpus ocorre devido à uma predisposição genética e, portanto, não existem formas de preveni-la. Entretanto, quanto mais cedo o diagnóstico for realizado, menores os danos ao organismo. Além disso, alguns cuidados ajudam a amenizar os sintomas ou, até mesmo, manter a doença menos ativa.

 

Pessoas com lúpus devem evitar exposição ao sol e, portanto, precisam diariamente de filtro solar e roupas que protejam o corpo. O excesso de exposição solar pode levar à atividade da doença.
O acompanhamento médico deve ser mantido mesmo com a doença controlada. Por ser uma doença crônica, pode retornar quando menos se espera.

 

Homem aplicando protetor solar no rosto

Pessoas com Lúpus precisam ter cuidados redobrados com a pele, como usar protetor solar diariamente

 

Tratamento para Lúpus

Para indicação do tratamento, é preciso avaliar o subtipo de Lúpus. Diferentes formas de lúpus exigem diferentes formas de tratamentos.

De maneira geral, grande parte dos pacientes são tratados com antinflamatórios, corticoides e medicamentos antimaláricos (que tratam malária, mas também reduzem a inflamação no organismo, como a hidroxicloroquina) para reduzir as inflamações na pele, articulações e órgãos comprometidos. O médico também poderá prescrever medicamentos para regular a imunidade do organismo.

 

O lúpus da pele é tratada com cremes ou injeções locais de medicamentos que reduzem a inflamação. Além disso, é essencial que haja proteção solar intensiva e constante, que deve ocorrer de forma física (roupas compridas, guarda-sol, chapéus, etc) e por meio de bloqueadores solares, reaplicados diversas vezes ao longo do dia.

 

O acometimento de órgãos internos exige medicamentos que reduzem a imunidade (imunossupressores), geralmente, aplicados diretamente na veia. É muito importante manter acompanhamento com especialistas, como reumatlogista, neurologista, nefrologista ou pneumologista.

Atenção! Apenas o médico pode indicar o tratamento. Cada caso precisa ser avaliado individualmente, para que, então, seja prescrita a medicação mais indicada.

 

Lúpus, coronavírus e cloroquina

O lúpus, assim como outras doenças raras, coloca em risco alguns grupos de pacientes devido a reflexos ou complicações da doença. Pessoas com distrofias musculares podem ter acometimento cardíaco e pulmonar, o que torna a situação mais delicada. Outro grupo de risco é o de pessoas que tomam medicamentos imunossupressores, que diminuem a imunidade do organismo.

 

A cloroquina e sulfato de hidroxicloroquina são medicamentos indicados para o tratamento de lúpus. A procura desses medicamentos aumentou durante a pandemia de Covid-19, o que pode estar prejudicando os pacientes que dependem da medicação para controle do lúpus.

Esse medicamento também é indicado para outras doenças, como malária e artrite reumatoide.

COMENTE ESTA PUBLICAÇÃO