O QUE É?

Enxerto cutâneo é o procedimento que reposiciona uma parcela de pele (retirada de uma área saudável) para uma região do corpo que foi lesionada.

As situações mais comuns que levam ao enxerto de pele são: acidentes, feridas cirúrgicas, retirada de tumores e queimaduras profundas.

Utilizada em situações em que o ferimento não tem perspectiva de melhora apenas com curativos, o enxerto cutâneo reduz a área exposta, diminuindo a probabilidade de contaminação e tornando a cicatrização mais rápida.

 

TIPOS DE ENXERTO CUTÂNEO

 Os enxertos cutâneos podem ser classificados como laminados e malhas. Veja abaixo as características de cada um:

  • Enxerto laminado: quando a porção de pele retirada não sofre nenhuma modificação, sendo diretamente aplicada na área lesionada.
  • Enxerto em malha: são feitas várias perfurações na pele extraída para que haja expansão do tecido e aumento da superfície a ser aderida à lesão. Após esse procedimento, o aspecto da pele se assemelha a uma rede ou tela.

Ilustração de enxerto cutâneo em malha

Além disso, pode-se também classificar um enxerto quanto à espessura da pele retirada:

  • Espessura total: quando são retiradas a derme e a epiderme da área doadora, incluindo os anexos (como pelos e glândulas). Essa modalidade de enxerto é bastante comum em casos de queimaduras de terceiro grau, devido à sua alta complexidade.
  • Espessura parcial: preserva a derme na área doadora.

 Existe, ainda, o enxerto composto, que além da epiderme e derme, contém um componente adicional, como gordura ou cartilagem.

 

CUIDADOS PÓS-ENXERTO

Para a boa recuperação das áreas doadoras e receptoras, é muito importante manter cuidados específicos no pós-operatório. Na área receptora, para que o enxerto possa se fixar e receber nutrientes, é essencial manter a região operada imóvel e protegida.

Já a área doadora precisa de atenção para evitar infecções e auxiliar na cicatrização. Nesses casos, são utilizados curativos não aderentes e que promovem a cicatrização da pele, como é o caso da Membrana Regeneradora Porosa Membracel.

Outras orientações gerais dão suporte para a boa cicatrização, como não fumar, manter o organismo hidratado e ingerir alimentos saudáveis e ricos em nutrientes.

 

COMO A MEMBRACEL AUXILIA NO TRATAMENTO?

O uso da Membrana Regeneradora PorosaMembracel na área doadora de pele estimula a cicatrização, pois mantém a umidade ideal na lesão e estimula a formação de novos vasos sanguíneos (neoangiogênese). Além disso, a presença de poros na membrana possibilita as trocas gasosas. Esses fatores somados colaboram para a formação do tecido de granulação e epitelização celular, resultando na cicatrização da pele. (Entenda as fases do processo de cicatrização aqui.)

A membrana também protege as terminações nervosas, diminuindo significativamente a dor logo após a aplicação.

A Membracel não necessita de trocas diárias. Isso significa mais conforto para o paciente, que não passa por curativos frequentes, e diminuição dos custos, já que uma única membrana pode permanecer na lesão por até 7 dias. Em feridas superficiais, como é o caso de áreas doadoras de enxerto cutâneo, a Membracel auxilia para que a região seja cicatrizada, em média, entre 7 e 10 dias. Ou seja, em muitos casos, uma única membrana é suficiente para a reepitelização total da região.

Já a utilização da Membracel em áreas receptoras depende do tipo de enxerto realizado. Nos casos em que há orientação médica, a Membracel auxilia na fixação da pele enxertada, pois evita que o curativo secundário (gaze) grude, diminuindo a necessidade de manipular a região e, assim, minimizando os riscos de infecção.

COMENTE ESTA PUBLICAÇÃO

WhatsApp chat