A constante preocupação com o bem-estar das pessoas que sofrem com doenças que acarretam lesões na pele está no DNA da Membracel. A história da criação da membrana capaz de substituir temporariamente a pele humana, promovendo o alívio da dor e a rápida regeneração, comprova a filosofia da empresa.

Durante mais de 10 anos o engenheiro florestal João Carlos Moreschi acompanhou a luta da mãe Vitória contra as úlceras desenvolvidas por insuficiência venosa. Dona Vitória normalmente tinha duas a três úlceras de grandes dimensões permanentemente abertas e infectadas que, além de lhe causar dores intensas, a impossibilitava de andar e sua qualidade de vida estava bastante comprometida.

Moreschi estava inconformado com a falta de resultados efetivo nos tratamentos convencionais existentes na época. Ele, que era professor universitário recém-aposentado e com conhecimentos científicos e tecnológicos nas áreas de microbiologia e de celulose, decidiu usar sua experiência para buscar uma solução para o problema de sua mãe.

Após três anos de estudos e pesquisas intensivos, chegou ao desenvolvimento de um novo produto capaz de eliminar a dor, acabar com a infecção e promover a cicatrização de forma acelerada de qualquer tipo de lesão da pele: a membrana de celulose. Moreschi contou com a colaboração do médico angiologista de sua mãe para avaliar a eficiência do produto e, assim, atender esta exigência dos órgãos de saúde brasileiros. Usando a membrana, D. Vitória viveu dos 87 aos 98 anos, sem sofrer mais com as feridas recorrentes.

Da necessidade de sua mãe, veio a oportunidade de ajudar outras pessoas com problemas parecidos. Moreschi decidiu criar uma empresa para a fabricação da membrana. Em 2002 começou a funcionar a empresa Membracel. Hoje, seus filhos Henrique e Thiago administram e gerenciam a produção e a comercialização das membranas regeneradoras para atender o tratamento de cerca de 3.000 pacientes por mês.

 

COMENTE ESTA PUBLICAÇÃO

WhatsApp chat