Felizmente, as tecnologias que se referem ao tratamento de feridas têm evoluído muito nos últimos anos. Isso significa que existe no mercado uma vasta gama de curativos e outros ativos que visam um objetivo em comum: a cicatrização.

Com tantas opções disponíveis, é comum ficar confuso ou até mesmo confundir coberturas e suas finalidades. Para isso, conversamos com o Enfermeiro Estomaterapeuta da Vuelo Pharma, Antônio Rangel, para que ele nos auxilie com as definições e diferenciações de algumas das opções disponíveis hoje em dia. Neste post, falaremos sobre as semelhanças e diferenças entre a Membrana Regeneradora Porosa Membracel e os adesivos de hidropolímero.

Membracel Membrana Regeneradora Porosa

Membracel

Vuelo (V): O que é a Membracel?

Antônio Rangel (AR): A Membracel é uma membrana de celulose cristalina que subsitui temporairamente a pele, estimula a fase inflamatória do processo de cicatrização, promove o desbridamento autololítico quando há presenca de esfacelos ou necrose e promove a epitelização tecidual. É muito usada em casos de queimaduras de segundo grau, úlceras de membros inferiores, feridas diabéticas, epidermólise bolhosa, áreas doadoras de enxerto ou qualquer outra situação em que ocorra a perda da pele. Pode ser aplicada em lesões superficiais ou profundas, com pouco ou alto teor de exsudato, já que o excesso de exsudato é drenado para o curativo secundário (gaze).

V: O que é o adesivo de hidropolímero?

AR: É um curativo adesivo composto de espuma de poliuretano. Sua principal função é absorver o exsudato (secreção) da lesão, sendo indicado para lesões com exsudação moderada ou intensa, mantendo umidade controlada.  Deve ser trocado sempre que estiver saturado.

Adesivo de hidropolímero

Adesivo de hidropolímero

V: Qual a diferença entre a Membracel e o curativo de hidropolímero?

AR: A principal diferença entre os dois curativos está no fato de que a Membracel não satura, já que o excesso do exsudato atravessa os poros e é absorvido por um curativo secundário, geralmente composto por gaze. Esse curativo de gaze é trocado diariamente, porém, a Membracel continua em contato com a lesão, mantendo seu mecanismo de ação, o que ajuda na aceleração do processo de cicatrização. Outra característica da membrana é o fato de promover o desbridamento autolítico (processo que remove os tecidos mortos), através da manutenção de umidade na interface membrana-ferida, o que também favorece a reepitelização da região afetada.

O adesivo de hidrocolóide tem limite de absorção, que varia de acordo com o fabricante. Nos casos de lesões exsudativas, o tempo de troca do curativo chega a ser de apenas 24 horas, o que aumenta os custos do tratamento. O produto deve ser substituído assim que notada a saturação (quando o curativo tiver  absorvido a quantidade máxima de exsudato). A saturação do produto pela falta da troca pode ocasionar atraso do processo de cicatrização devido ao acúmulo e excesso de exsudato que fica em contato direto com a lesão. Além disso, a estocagem do exsudato pode causar a maceração dos bordos da lesão, o que dificulta ainda mais a cicatrização.

V: Quais os principais benefícios da Membracel?

AR: A Membracel contém poros, o que permite a ocorrência de trocas gasosas e a drenagem do excesso de exsudato para o curativo secundário, mantendo controlada a umidade no leito da ferida e auxiliando  na regeneracao tecidual. Essas características favorecem a formação do tecido de granulação, etapa essencial da cicatrização. Dessa forma, a Membracel acelera até duas vezes mais a cicatrização da pele, diminuindo o tempo e os custos com o tratamento. A mesma membrana pode permanecer na lesão por até 12 dias sem a necessidade de remoção. Isso significa mais conforto ao paciente, já que apenas o curativo secundário (gazes absorventes) necessita de troca.

V: É possível associar os dois tratamentos?

AR: É possível, sim, associar o tratamento com a Membracel à utilização de adesivos de hidropolímero, que, nesse caso, funciona como curativo secundário. Isso porque uma das características da membrana é proporcionar a drenagem do excesso de exsudato para uma camada absorvente que, nos casos de feridas muito exsudativas, deve ser trocada com certa frequência. Como o adesivo de hidropolímero tem capcidade de absorção maior do que a gaze, essa junção se torna interessante. Dependendo da quantidade de exsudato, é possivel manter o hidropolímero entre 3 e 4 dias na lesão, sem necessidade de troca do curativo secundário. Essa associação permite mais conforto para o paciente, pois as trocas dos curativos (muitas vezes doloridas) passam a ser mais espaçadas. Entretanto, a utilização do adesivo de hidropolímero pode elevar significativamente o custo do tratamento.

Quer saber mais sobre a aplicação da Membrana Regeneradora Porosa Membracel? Assista esse vídeo.

COMENTE ESTA PUBLICAÇÃO

WhatsApp chat