O tratamento de feridas é uma vertente da área da saúde considerada complexa, pois envolve fatores únicos, que variam de paciente para paciente. Nesse sentido, cabe ao profissional da saúde escolher, dentre os produtos disponíveis no mercado, qual terá a melhor performance e trará o resultado esperado. São tamanhos e formatos variados, bem como ativos específicos para cada situação.

 

 

Segundo o enfermeiro estomaterapeuta da Vuelo Pharma, Antônio Rangel, a indicação correta do curativo reflete diretamente no sucesso do tratamento, pois reduz seu tempo, evita internações hospitalares e otimiza o processo de cicatrização. “Os curativos especiais permitem a redução das trocas, o que, além de baixar muito os custos de tratamento, diminui a dor gerada pelas trocas de curativos e promove mais conforto ao paciente”, destaca Rangel.

 

Muitas vezes o paciente fica anos tentando tratamentos tradicionais que não dão resultado, sendo que, em poucos meses, o curativo especial pode proporcionar a cicatrização total do tecido. Por isso, se compararmos o tempo e os valores investidos, o custo-benefício dos curativos especiais é muito elevado.

 

De acordo com Rangel, pode-se encontrar uma vasta gama de curativos especiais no mercado, como os com carvão ativado, prata, alginato e hidrogel. Entretanto, o curativo que, vem ganhando destaque é a Membrana Regeneradora Porosa Membracel.

 

A Membracel é uma membrana de celulose que acelera a cicatrização da pele. Diminui significativamente a dor, pois protege os terminais nervosos, aumentando o bem-estar do paciente. Por conter poros, permite a drenagem do exsudato para um curativo secundário, que pode ser uma gaze. Além disso, a membrana não necessita de trocas diárias, podendo permanecer na lesão por até 12 dias, caso não existam sinais de infecção, mau cheiro ou contaminação. É isenta de adesivos, o que evita o risco de traumas na pele e não causa danos ao novo tecido formado. Mantém a umidade natural do organismo, que proporciona o meio ideal para a migração celular e formação do tecido de granulação.

 

Cuidados com a lesão

“Quando falamos em tratamento de feridas, é primordial avaliar o aspecto da lesão para, então, optar pelo melhor tratamento”, afirma o estomaterapeuta. As feridas podem ser limpas (com bordas regulares, sem inchaço ou vermelhidão), contaminadas (aquelas que entraram em contato com agentes contaminantes, como terra, sujeira ou saliva de animais) e infectadas (as que já estão em processo de infecção, com sangramento abundante, secreção purulenta e calor no local afetado).É importante, também, avaliar o que causou a ferida. Em algumas situações (como feridas diabéticas ou úlceras vasculares), é preciso tratar a origem da lesão para que a cicatrização evolua positivamente.

 

Como fazer o curativo?

Sempre lave as mãos antes de iniciar o curativo e calce luvas descartáveis. Com soro fisiológico em jato e o auxílio de uma gaze, limpe cautelosamente a lesão, cuidando para não esfregar com força. Na sequência, posicione a Membrana Regeneradora Porosa Membracel sobre a ferida, de forma que exceda 1 cm os bordos da lesão (em pele íntegra). Cubra a membrana com gaze para que o excesso do exsudato seja absorvido e enfaixe com uma atadura de crepe para que a gaze se mantenha fixa. Troque esse curativo secundário sempre que estiver saturado (úmido), limpando a lesão com soro fisiológico sem retirar a membrana. “A Membracel é muito utilizada, pois, em algumas situações, uma única membrana é necessária para a cicatrização total da região afetada”, conclui Rangel.

 

Outros tipos de curativos e terapias

Além das coberturas citadas acima, outros curativos são bastante comuns no tratamento de lesões de pele. São eles:

  • Bota de Unna: é uma terapia contensiva para o tratamento de úlceras venosas. Auxilia no retorno venoso, diminuindo o edema e colaborando na cicatrização da ferida. Para um melhor resultado no tratamento desse tipo de úlcera e também para evitar o surgimento de novas lesões, é interessante fazer a associação entre o tratamento com a Membracel e a Bota de Unna.
  • Lâmina em gel: utilizada para amenizar o aspecto de cicatrizes hipertróficas e queloides. Nessas situações, a ferida já está cicatrizada e, portanto, a única forma de associar os dois tratamentos é utilizar a Membracel para cicatrizar a área afetada e, se houver necessidade, aplicar a lâmina em gel quando a lesão já estiver completamente fechada, apenas para amenizar a cicatriz.
  • Curativos de silicone: bastante utilizados por portadores de epidermólise bolhosa para a prevenção de novas lesões. Os curativos de silicone protegem as regiões suscetíveis a traumas, como cotovelos, joelhos e outras áreas de proeminência óssea.
  • Dica extra: existem no mercado soluções específicas para a limpeza de feridas, como os com PHMB, que ajudam na recuperação da pele. Esses produtos ajudam na descontaminação da lesão e na remoção de biofilmes, preparando o leito da lesão para receber o curativo. Exemplo de produtos com PHMB: Protosan e Aquasept.

COMENTE ESTA PUBLICAÇÃO