Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

O mês de fevereiro foi escolhido para a divulgação e conscientização sobre Doenças Raras.

 

Alguns dados sobre doenças raras:

_Definição: doenças raras são aquelas que afetam até 65 pessoas a cada 100.000 indivíduos (dados da OMS);

_No Brasil: estima-se que, pelo menos, 13 milhões de brasileiros sofram com algum tipo de doença rara;

_Tipos de doenças raras: não existe um número exato, mas estima-se que existam entre 6.000 a 8.000 diferentes tipos de doenças raras em todo o mundo;

_Idade: 75% das doenças raras atingem crianças;

 

Quer saber mais sobre doenças raras? Fizemos um post completo sobre doenças raras. Acesse aqui.

Nesse post vamos falar especificamente sobre a Epidermólise Bolhosa, um tipo de doença rara.

 

 

 

O que é Epidermólise Bolhosa?

A Epidermólise Bolhosa (EB) é uma doença rara, de origem genética e não transmissível.

Uma deficiência de colágeno torna a pele muito sensível. Tão sensível que as pessoas com EB são chamadas de borboletas (pela associação com as frágeis asas do inseto).

Qualquer pequeno atrito ou trauma pode machucar e levar ao surgimento de bolhas e lesões na pele. Até mesmo a etiqueta ou a costura das roupas podem machucar.

 

Pele de criança com Epidermólise Bolhosa

A Epidermólise Bolhosa é uma doença rara que causa feridas e bolhas na pele.

 

Tipos de Epidermólise Bolhosa

A EB é classificada de acordo com a distribuição das lesões na pele e o comprometimento que elas causam na pele. Quanto mais profundas as lesões, maior o comprometimento da pele e mais graves as complicações.

 

São 4 tipos principais de EB:

 

Epidermólise Bolhosa Simples

As bolhas se formam na camada mais superficial da pele e, portanto, as lesões são menos complexas. As regiões mais atingidas são mãos, pés, joelhos e cotovelos porque ficam expostas a traumas e atritos. Geralmente, não deixam cicatrizes.

 

Epidermólise Bolhosa Distrófica

Bolhas um pouco mais profundas, que se formam na derme (segunda camada da pele) e acabam deixando cicatrizes. As bolhas e lesões podem surgir em todo o corpo, inclusive mucosas (como boca e esôfago). Esse tipo de EB pode causar estreitamento do esôfago, distrofias articulares das mãos e pés e aderência dos dedos (sinéquia).

 

Epidermólise Bolhosa Juncional

É o tipo mais grave de EB. As bolhas são profundas e podem acometer quase todo o corpo. Outros sintomas podem agravar o quadro, como complicações gastrointestinais, dificuldades nutricionais e problemas odontológicos. O primeiro ano de vida é o mais crítico. Quando a doença é mantida controlada, os sintomas tendem a diminuir com o crescimento da criança.

 

Síndrome de Kindler

É o tipo mais raro. Pode apresentar uma mistura de sintomas dos tipos acima e lesões em qualquer camada da pele. A principal diferença é que, nesse caso, a pessoa apresenta sensibilidade ao sol.

 

Nesse post, falamos mais sobre os tipos de Epidermólise Bolhosa e as características de cada um deles.

 

Tratamento para Epidermólise Bolhosa

A epidermólise bolhosa ainda não tem cura e, portanto, o melhor tratamento baseia-se em aliviar os sintomas, evitar novas lesões e cicatrizar as já existentes.

É importante manter o acompanhamento com equipe multidisciplinar, composta por médico pediatra, dermatologista, enfermeiro estomaterapeuta, fisioterapeuta, nutricionista, dentista e outros profissionais que possam ajudar a compreender a pessoa de forma holística.

Prevenir traumas e optar pelo tratamento correto é essencial para amenizar o desconforto, acelerar a cicatrização e melhorar a qualidade de vida. O ideal é utilizar produtos que estimulem a cicatrização e diminuam a manipulação das áreas lesionadas para prevenir infecções, como é o caso da Membracel.

 

Membracel no tratamento de lesões causadas por EB

O comitê internacional de Epidermólise Bolhosa adota a Membracel como uma das diretrizes para o tratamento das lesões causadas pela doença.

A Membracel acelera a cicatrização da pele e, ainda, diminui a dor logo após a aplicação, pois protege as terminações nervosas.

 

Aplicação de Membracel em lesão de epidermólise bolhosa

A Membracel diminui a dor e acelera o processo de cicatrização da pele.

 

Veja o depoimento da Jéssica, mãe do Miguel, que tem EB.

 

Por conter poros, a membrana permite a drenagem do excesso de exsudato (secreção da lesão) e favorece as trocas gasosas. Esses fatores aceleram a cicatrização da pele e auxiliam na evolução positiva do quadro clínico.

Em lesões de epidermólise bolhosa, geralmente, uma única aplicação da membrana é suficiente para cicatrização total da pele, sem necessidade de troca. Além disso, a membrana faz uma barreira física, protegendo a lesão e evitando a contaminação por agentes externos.

 

Veja no vídeo abaixo como é feita a aplicação de Membracel em uma lesão causada pela EB:

 

 

Convivendo com a EB

A EB é uma doença rara e grave. Entretanto, com o diagnóstico precoce, o tratamento correto e o acompanhamento da equipe multidisciplinar (médicos e outros profissionais de saúde), a pessoa com EB pode ter uma vida normal.

A criança com EB pode manter uma rotina como qualquer outra criança: brincar, correr, ir à escola… Existem protetores de silicone que ajudam a evitar traumas e machucados. Em muitos casos, o surgimento das bolhas diminui com o passar do tempo e a qualidade de vida vai melhorando ano após ano.

 

É importante buscar informação, entender que a EB não é transmissível e reforçar a luta contra o preconceito. O Dia Mundial das Doenças Raras existe para que possamos nos unir e buscar cada vez mais qualidade de vida para essas pessoas.

 

Quer saber mais sobre a Epidermólise Bolhosa? Acesse o site da Debra Brasil, associação nacional de apoio a pessoas com EB e seus familiares.

COMENTE ESTA PUBLICACIÓN