Ostomia

O QUE É UMA OSTOMIA?

Ostomia é uma abertura criada cirurgicamente para conectar um órgão ao meio externo. Esse tipo de intervenção pode ser necessário em diversas situações, como em casos de perfuração no abdômen ou doenças no reto, intestino ou bexiga.

 

Os tipos mais comuns de ostomia são:

  • Colostomia: ostomia criada no intestino, especificamente na parte do cólon.
  • Ileostomia: também criada no intestino, mas na parte do intestino delgado.
  • Urostomia: ostomia criada para desviar o fluxo da urina.

 

Vamos falar mais detalhadamente de cada um dos tipos de ostomia mais abaixo.

 

Após a criação do estoma (como é chamada a abertura no abdômen), não é mais possível controlar a saída das fezes ou da urina e, portanto, é preciso ter uma bolsa coletora fixada ao corpo, chamada de bolsa de estomia. Essa bolsa é removível e precisa ser esvaziada e higienizada ao longo do dia conforme sua capacidade de armazenamento.

A ostomia exige alguns cuidados específicos de higiene e manutenção da bolsinha, mas após o período de adaptação, é possível retomar as atividades e ter uma vida normal.

OSTOMIAS TEMPORÁRIAS E PERMANENTES

Esse tipo de procedimento pode ser temporário ou permanente, variando de acordo com o tratamento e direcionamento médico.

 

As ostomias temporárias têm o objetivo de evitar a passagem de fezes ou urina por um determinado período, até a cicatrização total da região em questão. No caso de um tratamento de câncer no reto, por exemplo, o estoma desvia o fluxo do intestino para tratamento e cicatrização da cirurgia. Após a cicatrização, é feita e reversão da ostomia e o paciente volta a evacuar normalmente pelo ânus.

Entretanto, em alguns casos, a ostomia é uma opção permanente. Essa é a escolha médica quando não é mais possível manter a funcionalidade do intestino ou bexiga ou quando a ostomia provê melhor qualidade de vida à pessoa (como em alguns casos de Doenças Inflamatórias Intestinais). 

Conheça o Gelificador, com fragância agradável de lavanda para bolsas de ostomia, e o Spray de Barreira, que protege a pele por até 72h

TIPOS DE OSTOMIA

COLOSTOMIA

Colostomia é o tipo de ostomia realizada no intestino grosso. Esse tipo de procedimento é necessário quando o paciente é impossibilitado de evacuar naturalmente pelo ânus.

As colostomias são classificadas de acordo com localização em que o estoma é criado no intestino grosso.

  1. Colostomia ascendente: é realizada na parte ascendente do cólon, localizada do lado direto do intestino grosso. Tem como característica fezes pastosas.
  2. Colostomia descendente: realizada na parte descendente do cólon, localizada do lado esquerdo do intestino grosso. Nesse caso, as fezes podem ser sólidas ou pastosas.
  3. Colostomia transversa: realizada entre o cólon ascendente e descendente, na parte transversa do cólon. Nesse caso, as fezes são pastosas ou semilíquidas.
  4. Colostomia úmida: quando a ostomia permite a saída de fezes e urina pelo mesmo orifício. É uma alternativa para casos em que também é necessário desviar o fluxo urinário.

ILEOSTOMIA

Ileostomia é quando o estoma é criado no intestino delgado. Geralmente, essa intervenção é necessária quando a passagem das fezes pelo intestino grosso está impedida.

 

As fezes costumam ser mais líquidas e ácidas e, portanto, é preciso ter atenção com o tempo para higienização e capacidade da bolsinha. O ideal é dispensar o conteúdo armazenado sempre que bolsa atinja 1/3 de sua capacidade. Essa atitude evita que a bolsa fique pesada, causando vazamentos.

UROSTOMIA

Urostomia é quando o estoma é criado para desviar o caminho da urina. Nesse caso, os condutos urinários são exteriorizados pela parede abdominal e a urina passa a ser eliminada de forma constante, por gotejamento.

TIPOS DE BOLSAS DE OSTOMIA

Após a cirurgia para criação da ostomia, é preciso manter uma bolsa coletora acoplada ao estoma o tempo todo. Essa bolsa armazena as fezes ou urina (a depender do tipo de ostomia) e deve ser higienizada ao longo do dia.

Existem diversos tipos e modelos de bolsas de ostomia. A bolsa de ostomia deve ser escolhida de acordo com o tipo de ostomia, as características do estoma e as necessidades do ostomizado.

 

ESCOLHENDO A BOLSA QUANTO AO TIPO DE OSTOMIA:

As bolsas de colostomia e ileostomia foram desenvolvidas para armazenas fezes. A abertura para a higienização da bolsa é mais larga.

Já as bolsas de urostomia tem o objetivo de armazenas urina. Portanto, o orifício por onde a urina é dispensada não precisa ser tão grande. 

BOLSAS DRENÁVEIS E NÃO-DRENÁVEIS

As bolsas de ostomia drenáveis têm uma abertura inferior com fechamento manual, que permite ao ostomizado esvaziar as fezes ou urina ao longo do dia. Dessa forma, é possível higienizar a bolsinha sem que seja necessário retirá-la do corpo.

Já as bolsas não-drenáveis são fechadas e, para esvaziá-las, é preciso retirá-la do corpo. Algumas pessoas utilizam esse tipo de bolsinha como descartável, jogando-a fora a cada higienização. Para utilizar esse modelo de bolsa é preciso levar em consideração a integridade da pele ao redor do estoma. Como a bolsinha precisa ser descolado do abdômen a cada higienização, essa frequência de “cola-descola” pode acabar machucando a pele periestoma.

 

BOLSAS DE UMA E DE DUAS PEÇAS

Nas bolsas de uma peça, placa e bolsa são um único item. Ou seja, a placa não se solta da bolsa.

Já nas bolsas de duas peças, a placa é separada da bolsa. Primeiro a placa é fixada no abdômen e, só então, a bolsa é encaixada na placa. O modelo de duas peças permite lavar a bolsa internamente após dispensar as fezes, basta desencaixá-la e, depois, encaixá-la novamente.

 

BOLSAS OPACAS E BOLSAS TRANSPARENTES

Existem bolsas transparentes que permitem a visualização do conteúdo interno (fezes ou urina). Isso permite acompanhar o preenchimento da capacidade da bolsinha e, também, avaliar o aspecto das fezes ou urina (qualquer alteração, como sangue, pode ser percebida já no início).


Já as bolsas opacas são ideais para quem prefere que o conteúdo da bolsa não fique visível. Esses modelos são de cor bege, impedindo o contato visual com o conteúdo interno (fezes ou urina).

COMO ESCOLHER O MODELO CERTO DE BOLSA DE OSTOMIA?

Existem diversos modelos e marcas no mercado. É preciso escolher a bolsa que você melhor se adapta e, para isso, pode ser necessário testar alguns modelos até encontrar a bolsa ideal.

É uma escolha bastante pessoal e você precisa levar em consideração suas necessidades e preferências. As condições pós-cirúrgicas e o formato do estoma também podem influenciar.

 

Converse com o seu enfermeiro estomaterapeuta. Ele pode te ajudar a escolher o modelo de bolsa que melhor se adapta ao seu corpo, além de esclarecer outras dúvidas sobre a rotina de ostomizado.

PRODUTOS QUE MELHORAM A QUALIDADE DE VIDA DO OSTOMIZADO

Alguns produtos foram pensados para melhorar a qualidade de vida dos ostomizados, facilitando o dia a dia com a bolsinha e o convívio social. É o caso do Gelificador para Bolsas de Estomia e do Spray de Barreira.

Vamos falar deles logo abaixo.

GELIFICADOR PARA BOLSAS DE ESTOMIA

São cápsulas que, ao serem inseridas na bolsa de ostomia, aromatizam e gelificam as fezes. Promove mais segurança ao ostomizado, pois contém óleo essencial de lavanda, que deixa um aroma agradável no conteúdo da bolsa.

O Gelificador da Vuelo ajuda na reinserção social e profissional do ostomizado. Após a cirurgia de criação da ostomia, a pessoa passa por um período de adaptação que, muitas vezes, pode ser difícil. Além de se adaptar à rotina com a bolsinha, o recém-ostomizado precisa lidar com as inseguranças e fatores psicológicos.

O aroma de lavanda do Gelificador traz essa segurança, já que o ostomizado pode esvaziar a bolsinha fora de casa sem se preocupar com o odor das fezes.

O ostomizado reconquista a segurança de poder sair sem se preocupar com a bolsinha.

Pode sair de casa tranquilo, pois sabe que quando for preciso higienizar a bolsinha, não irá passar por nenhum tipo de constrangimento.

Além disso, o Gelificador gelifica os líquidos da bolsinha, evitando vazamentos e infiltrações. Com o conteúdo gelificado, o ostomizado sente mais segurança e liberdade para realizar atividades comuns do dia a dia.

COMO APLICAR O GELIFICADOR PARA BOLSAS DE ESTOMIA?

Após a troca ou higienização da bolsa de ostomia, insira de 2 a 3 cápsulas no interior da bolsinha. Assim que entrarem em contato com a fezes, as cápsulas irão dissolver, liberando o aroma de lavanda e gelificando os líquidos da bolsa.

Cada cápsula gelifica em torno de 100 mL e, portanto, é possível administrar a quantidade de cápsulas de acordo com a capacidade da bolsinha e os hábitos do ostomizado.

Para higienizar a bolsinha, dispense o conteúdo gelificado no vaso sanitário, higienize a bolsinha como de costume e insira novas cápsulas no interior da bolsa de ostomia.

 

SPRAY DE BARREIRA

A utilização diária da bolsa de ostomia e as trocas frequentes da placa, em muitos casos, acabam machucando a pele ao redor do estoma. Para manter íntegra a pele da região, é preciso tomar alguns cuidados diários, como boa higienização e proteção da pele periestoma.

O Spray de Barreira ajuda muito nesses casos, pois forma uma película de silicone que protege a pele por até 72 horas. Após aplicar o spray, uma camada uniforme se forma, protegendo o local contra a cola da placa e, ainda, impedindo o contato de líquidos e resíduos armazenados pela bolsa de ostomia (fezes ou urina).

O Spray de Barreira funciona como uma barreira física, que protege a pele contra futuras lesões, mantendo a pele saudável.

COMO APLICAR O SPRAY DE BARREIRA?

Antes da aplicação, higienize e seque a pele. Aplique uma camada uniforme na região a ser protegida e aguarde até que seque por completo (cerca de 30 segundos). Após a secagem, dê andamento com os procedimentos normais, como a colagem da bolsa ou do adesivo do curativo.

O Spray de Barreira Vuelo pode ser aplicado mesmo se a pele estiver irritada ou lesionada, pois não contém álcool e, portanto, não causa ardência ou desconforto.

 

Veja o vídeo com o passo a passo para aplicação do Gelificador para Bolsas de Estomia e do Spray de Barreira.

DICAS PARA AJUDAR NA ADAPTAÇÃO COM A BOLSA DE OSTOMIA

     1 – Evite deixar que a bolsinha encha até a capacidade total;

     2 – Tenha sempre uma garrafa d´água. Após dispensar as fezes, limpe o interior da bolsa com um pouco de água;

     3 – Respeite a durabilidade da bolsa e troque conforme as orientações do fabricante;

     4 – Use o Gelificador para Bolsas de Estomia para deixar um cheirinho agradável ao higienizar a bolsa e não ter receio de limpá-la fora de casa;

     5 – Sempre aplique o Spray de Barreira antes de colar a placa. O spray forma uma película de proteção que mantém a pele saudável mesmo que haja contato das fezes com a região periestoma;

     6 – Se sentir coceira ou desconforto na pele periestoma, retire a bolsa, limpe a pele com água e sabão neutro, aplique o Spray de Barreira e cole uma nova placa. Certifique-se de que o orifício da placa esteja do tamanho exato do estoma;

     7 – Escolha o modelo de bolsa que melhor se encaixa no seu perfil (mesmo que para isso você precise testar vários deles).

Conheça Outras Páginas