Muito comum em pessoas acamadas ou com mobilidade reduzida, as lesões por pressão ocorrem devido à pressão constante, principalmente em pontos com proeminências ósseas que ficam em constante contato com a cama (calcanhares, por exemplo). Também conhecidas como escaras, esse tipo de ferida pode ser superficial – atingindo apenas a epiderme – ou mais profunda – comprometendo músculos, tendões, ossos e até mesmo órgãos.

A principal causa desse tipo de lesão é a falta de movimentação, já que a pressão constante no mesmo ponto diminui consideravelmente a circulação sanguínea do paciente acamado. Os locais mais comprometidos são:

  • Região sacral (acima do cóccix)
  • Trocânteres (parte superior e lateral do fêmur)
  • Maléolos (osso lateral dos pés)
  • Calcanhares (devido ao constante contato com a cama)

Partes dos corpo suscetíveis a lesões por pressão e escaras

Como evitar?

  • Mude da posição do paciente na cama, movimentando-o sequencialmente a cada 3 horas;
  • Avalie diariamente a pele das regiões mais suscetíveis às lesões;
  • Para mudar a posição, nunca arraste o paciente sobre a cama;
  • Procure orientação profissional sobre tecnologias terapêuticas que diminuem a cronicidade das lesões.

Estágios das Lesões por Pressão

Estágio I: pele intacta com hiperemia de uma área localizada que não embranquece, geralmente sobre proeminência óssea. A pele de cor escura pode não paresentar embranquecimento visível (sua cor pode diferir da pele ao redor).

Estágio II: perda parcial da espessura dérmica. Apresenta-se como úlcera superficial com o leito de coloração vermelho pálida, sem esfacelo. Pode apresentar-se, ainda, como uma bolha (preenchida com exsudato seroso), intacta ou rompida.

Estágio III: perda de tecido em sua espessura total. A gordura subcutânea pode estar visível, sem exposição de osso, tendão ou músculo. Esfacelo pode estar presente sem prejudicar a identificação da profundidade da perda tissular. Pode incluir descolamento e túneis.

Estágio IV: perda total de tecido com exposição óssea, de músculo ou tendão. Pode haver presena de esfacelo ou escara em algumas partes do leito da ferida. Frequentemente, inclui descolamento e túneis.

Escaras que não podem ser classificadas: lesão com perda total de tecido, cuja base está coberta por esfacelo (amarelo, marrom, cinza, esverdeado ou castanho) e/ou há escara (marrom, castanha ou negra) no leito da lesão.

Suspeita de lesão tissular profunda: área localizada de pele intacta de coloração púrpura ou castanha ou bolha sanguinolenta devida a dano no tecido mole, decorrente de pressão ou cisalhamento.

Tratamento

Para o tratamento da lesão por pressão deve-se avaliar, antes de tudo, o comprometimento tecidual da região afetada. Feridas profundas e com necrose (tecido morto) necessitam de limpeza rigorosa da lesão, realizada pelo médico ou enfermeiro estomaterapeuta. Para o sucesso do tratamento, é importante utilizar curativos que acelerem a cicatrização da pele e promovam o bem-estar do paciente.

A Membrana Regeneradora Porosa Membracel é muito indicada para o tratamento de lesões por pressão (grau II e grau III), pois protege a região lesionada e favorece a formação do tecido de granulação, etapa essencial do processo de cicatrização. Para aplicar, é importante que a membrana fique em contato com todo o leito da ferida. Após a aplicação, é necessário um curativo secundário com gaze, que irá drenar o exsudato (secreção) da lesão.

Importante: o curativo de gaze deve ser trocado diariamente ou sempre que estiver saturado (úmido). Durante essas trocas, não é necessário retirar a Membracel, basta realizar a limpeza cuidadosa e aplicar um novo curativo de gaze. O tempo de permanência da membrana na lesão aumenta conforme a evolução do tratamento, podendo chegar a até 15 dias.

Além de não precisar de trocas constantes, a membrana regeneradora porosa protege as terminações nervosas, diminuindo instantaneamente a dor. O conjunto dessas ações promove mais qualidade de vida ao paciente, o que auxilia diretamente no sucesso do tratamento.

Mão com luva segurando a membrana de celulose Membracel

COMENTE ESTA PUBLICAÇÃO